Paredes móveis criam 24 espaços diferentes em flat de 32m²

 
O apartamento de 32m2 do arquiteto chinês Gary Chang, do escritório EDGE Design Institute Ltd., assume 24 configurações diferentes. A 'mágica' está em partes que se movem, como nesse caso... Foto: Divulgação: EDGE Design Institute Ltd. O apartamento de 32m2 do arquiteto chinês Gary Chang, do escritório EDGE Design Institute Ltd., assume 24 configurações diferentes. A 'mágica' está em partes que se movem, como nesse caso...
Foto: Divulgação: EDGE Design Institute Ltd.


O arquiteto Gary Chang, do EDGE Design Institute Ltd., criou, em Hong Kong, uma saída engenhosa para maximizar o uso de seu flat de apenas 32 m2. Utilizando um conjunto de paredes móveis, a pequena residência pode ser configurada de 24 maneiras diferentes. O projeto, chamado de Transformer Doméstico, nasceu da ideia de Chang de que espaços pequenos podem ser confortáveis, desde que desenhados inteligentemente.
As paredes móveis utilizam um sistema de trilhos e são fáceis de movimentar. Com isso, a parte do apartamento onde fica a televisão pode ser deslocada, e, atrás dela, surge uma cozinha pequena, mas completa. Já a grande estante se mexe para dar lugar a uma dispensa, que esconde, por sua vez, uma grande banheira, sobre a qual também é montada uma cama de hóspedes. Já o móvel no qual Chang dorme é levantado e torna-se uma parede, até porque, como lembra o arquiteto, camas de casal ocupam um espaço precioso para quem não tem muito.

E de espaços pequenos Chang entende bem, pois vive há 30 anos no mesmo apartamento. Antes, no entanto, tinha a companhia dos pais e das três irmãs mais novas; o arquiteto dormia na sala. A situação, que parece incomum para muitos brasileiros, é muito normal em Hong Kong, uma das regiões com maior densidade populacional do mundo e na qual o espaço é um luxo. Pela situação em que vivia, Chang conta que já pensava em arquitetura antes mesmo de entrar na faculdade. Mas foi apenas depois de seus pais e suas irmãs se mudarem que ele começou a estudar possibilidades para aproveitar ao máximo os 32 metros quadrados do apartamento.
As soluções engenhosas não se encontram apenas nas paredes e nos móveis. O teto do apartamento é de vidro, o que ajuda não só a disfarçar o sistema de trilhos, mas também intensifica a iluminação natural da residência e dá maior sensação de amplitude ao ambiente. Além disso, a única janela tem vidros alaranjados, o que causa a sensação de que o pequeno espaço está sempre ensolarado. Há até mesmo uma grande tela de projeção que se recolhe quando não utilizada.
O conhecimento que Chang adquiriu melhorando o uso de seu pequeno apartamento também está ao alcance de outras pessoas. O arquiteto desenhou um edifício de flats que tem algumas unidades ainda menores do que seu Transformer Doméstico e que incorporam várias soluções testadas.
Postar um comentário

Veja Mais